31 julho 2015

Pronação dolorosa

Você já ouviu falar em “Pronação dolorosa” OU "Cotovelo da Babá"?

Há um pouco mais de duas semanas meu filho Lucas de 10 meses passou por isso e então resolvi fazer esse post para quem sabe ajudar outros pais que também estejam passando pelo mesmo.


O que é Pronação Dolorosa? 

“É um pequeno deslocamento da cabeça do rádio em relação ao ligamento anular. O rádio é um dos ossos do antebraço e a cabeça do rádio é a porção deste osso que participa da articulação do cotovelo. O ligamento anular envolve a cabeça do rádio como um anel. Esta lesão ocorre em crianças menores de cinco anos, devido à consistência mais elástica dos ligamentos e ao desenvolvimento ósseo incompleto. A história é quase sempre a mesma. A criança é puxada pela mão ou pelo antebraço; por exemplo, quando a mãe segura a criança para que esta não saia correndo pela rua, ou quando a criança é balançada pelos braços” (Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia).”

Tratamento 
Procurar atendimento médico para que seja feito o adequado tratamento. 
Na vigência da descrição clássica do trauma, o procedimento a ser realizado se chama redução, que consiste em “colocar o osso deslocado no lugar”. Feito isso, a melhora da dor e o restabelecimento dos movimentos são quase imediatos. 

Evite 
Manipular o braço da criança, principalmente quando o momento do trauma não foi testemunhado, ou seja, quando há apenas o relato de trauma e choro.
Evite puxar a criança pelas mãos; desta forma, não ocorre o mecanismo de tração sobre o cotovelo. 
Essa orientação deve ser seguida pelos pais, cuidadores, babás, professores, irmãos e outras pessoas que tenham contato com a criança. 

Não sei exatamente o momento em que isso aconteceu e nem onde aconteceu, se em casa ou na creche, se ele caiu sozinho, se a Beatriz puxou seu braço sem querer, se o pegamos de mau jeito... O fato é que na quinta feira, 16 de julho, Lucas acordou diferente, quietinho. Ficou sentadinho na minha cama brincando, mas notei que mexia somente o braço esquerdo. O peguei no colo e notei que resmungou. Mas nada além disso. Alguns minutos depois começou a chorar sem parar, me olhando no fundo dos olhos, com expressão de dor e de tristeza. Eu quase estava chorando junto, pois não conseguia identificar o motivo. Então parei pra analisar e notei que o bracinho direito ficava sempre coladinho ao lado do corpo. Tentei dar alguns brinquedos pra ele pegar e ele esticava o braço esquerdo, deixando o direito imóvel. Tentei dobrar o bracinho e ele gritou.

Foi aí que resolvemos levar para o pediatra, que o analisou e achou que fosse algo no ombro. Pediu raio-x.
Fomos até o ortopedista antes de fazer o raio-x e ao apalpá-lo logo notou que não tinha nada de errado com o ombro e sim com o cotovelo.
Então falou que ía fazer uma manobra rápida, chamada “redução”.
Fechei os olhos e só ouvi um “click” seguido de choro.
Pronto. Estava tudo no devido lugar.
Porém, fomos fazer o raio-x mesmo assim para verificar se não havia mais nada.

Durante o exame meu menino permaneceu imóvel, com aquele bracinho paradinho. Levei o resultado para o ortopedista e estava tudo normal.
Durante o dia ele já estava mexendo um pouco o braço, mas estava longe do normal.
Pensei que em 2 ou 3 dias tudo ficaria bem, mas passaram 5 dias e o bracinho continuava caidinho ao lado do corpo. Meu filho fazia tudo com o braço esquerdo e reclamava de dor quando tentávamos levantar e esticar acima da cabeça o bracinho direito. Pensei: isso não está certo. Algo mais deve ter.
Então voltamos no ortopedista no 5º dia após a manobra e realizamos mais raio-x, dessa vez do tórax.
Novamente exame físico e raio-x perfeitos.
Não me convenci e marquei horário para 3 dias depois em um ortopedista pediátrico que avaliou e constatou que tudo estava bem e que a recomendação seria a de cuidar pra que não acontecesse novamente, pois depois da primeira vez é muito mais fácil que ocorra mais vezes.                      
Hoje o Lucas já está bem, engatinhando, mexendo em tudo, dando tchauzinho, mas estou tomando muito cuidado ao pegá-lo no colo e se vejo que ele está em alguma posição com o bracinho meio virado ou apoiado demais já trato de colocá-lo em uma posição mais confortável.

24 julho 2015

10 meses e os aniversários

Não!
Peraí!
Não é possível que já se passaram 10 meses...
Até ontem eu ainda o sentia mexendo dentro de mim.
Até ontem eu ainda não tinha assimilado a ideia de ser mãe de menino também.
De repente esses 10 meses passaram como um piscar de olhos e cá estamos, nos finalmentes do planejamento dos aniversários.
Aniversários sim.
Porque Lucas nasceu em 24/09 e Beatriz em 06/10. Menos de 2 semanas de diferença.
Então não faz sentido gastar 2 vezes para 2 festas, né?
Vai ser uma só.
Beatriz já escolheu o tema faz tempo e já fui atrás de várias coisinhas pra decor, especialmente a parte de scrap.
E quase todos os dias ela me pede se falta muito pro aniversário deles.
Estou tão ansiosa quanto ela, afinal festejar a vida de 2 filhos, que só me trazem alegria, é muito bom!
Ps: depois da festa virei aqui mostrar pra vocês um pouco da decoração.

Mas voltando...
A gente podia ter a capacidade de parar o tempo algumas vezes na vida, como por exemplo no dia do nosso casamento, no dia dos nascimentos dos filhos, na fase perto de completar 1 aninho de vida...
Eita fase boa, gostosa... dá vontade de agarrar o filhote e não soltar mais. É tanta gostosura que tem que cuidar pra não amassar o bebê de tanto beijar e abraçar.
E a fase perto dos 4 anos, o que falar? Igualmente deliciosa. Beatriz tem conversas lógicas, faz perguntas, questiona, nos surpreende com o discernimento das coisas. Está uma mocinha linda, amorosa, companheira, que ama o irmão e ama se sentir útil e ajudar no que for preciso.
Tem os momentos de birra, claro. Mas isso é o de menos perto de tanto amor que ela traz pra nossa família.

E o Lucas, como está?
Lucas é um menino tranquilo mas já está mostrando que tem personalidade forte e quando quer uma coisa grita alto e bate os bracinhos, como por exemplo faz quando o tiramos da banheira.
Ao contrário de como era a Beatriz ele AMA água.
É sorridente, gosta de contato, pega no sono sozinho na maioria das vezes, não gosta de ser ninado, não dorme mamando, ainda mama muito, mas só do peito direito, acorda de 2 a 3 vezes de madrugada, chupa chupeta, não gosta de mamadeira, sempre dorme com um paninho, AMA a irmã e sempre sorri pra ela, já engatinha um pouco mas acho que vai logo andar pois gosta de ficar durinho em pé, é curioso, gosta da creche, vai no colo de qualquer um, dá piscadinha, manda beijinho, bate palminha, dá tchauzinho, faz não com a cabeça e dedinho, adora música, odeia dormir com meia, geralmente dorme de ladinho ou esparramado ocupando metade da nossa cama.
PS: não que eu deva alguma satisfação pra alguém, mas antes que fiquem pensando já vou explicando: ele está dormindo na nossa cama pois está bem resfriado já faz um tempo, e às vezes chega a vomitar de tanto tossir. Fico agoniada se ele não está perto pra eu cuidar.

Então, o tempo está voando, mas eu posso dizer que estou curtindo cada momentinho, registrando através de fotos, diário, blog e principalmente dentro do meu coração.



06 julho 2015

Projeto paralelo

Sempre adorei trabalhos manuais, apesar de nunca ter me especializado em nada.
Lembro que quando estudava na 5ª e 6ª séries, ou seja, com 11/12 anos eu fazia os cartões de cartolina, glitter e canetinha para serem vendidos no quiosque do Correio do Amor na festa da escola a qual eu frequentava.
Mexer com papel e coisas fofas pra mim é uma terapia.

E se der um lucrinho então? Melhor ainda!
Então resolvi fazer alguns cursos de scrapbook na Liebe Papier e agora estou aceitando encomendas.
Faço convites, cartões, tags, toppers, wrappers, bloquinhos, álbum para fotos, agendas... enfim, vários itens fofinhos pra personalização de festas e pra registros através de fotos e anotações.

Pra quem se interessar segue minha fanpage:
www.facebook.com/sweetmomentsscrapbook

Beijos

22 junho 2015

O que é certo? O que é errado?

Quem me conhece sabe que sou uma pessoa bastante reservada.
Não sinto a necessidade de soprar aos 4 ventos tudo que acontece em minha vida.
Por conta disso algumas pessoas ficam até chateadas por eu não ficar falando tudo que se passa aqui dentro de casa. Só que cada um é diferente do outro e respeitar essas diferenças faz parte da vida.

Chega a ser até estranho uma pessoa como eu ter um blog. Mas o fato é que eu gosto de escrever, gosto de registrar e quero que meus filhos tenham esses registros pra sempre.
E alguns posts também faço pra ajudar outras mães, a fim de trocar experiências, que acho que é bem legal.

Graças a Deus até hoje nunca recebi um comentário de alguém chateado pelo que escrevi, afinal nenhum de meus posts jamais foi escrito diretamente para alguém. São só experiências e opiniões única e exclusivamente MINHAS.

Quando falo e defendo a amamentação, por exemplo, é porque sei e vivi os benefícios da mesma e por isso tento passar a experiência de forma que outras mães lutem também por ela. Defendo sim! Mas respeito quem não pôde, não conseguiu amamentar.

Quando exponho a minha experiência positiva de 2 partos cesárea não estou dizendo que você TEM QUE ter um parto cesárea também.

Por exemplo, a Beatriz NUNCA experimentou refrigerante na vidinha dela e quando vê alguma criança tomando ela diz baixinho pra mim: "Mamãe, ela está tomando caca".
Nunca ofereci e não deixo os outros oferecerem. Enquanto eu puder controlar isso eu vou controlar.
Em contrapartida muitos pais são contra seus filhos ficarem no tablet e aplicativos de celular muito tempo e assim tão pequeninos. A gente já não é tão rígido quanto a isso. Na verdade, nada rígidos.
EU, vejam bem, EU não vejo problema nesse contato precoce com os eletrônicos.
Agora, se ficar muito tempo durante o dia, aí eu fico brava. Pode usar, mas não o dia todo.

Citei esses 2 exemplos para dizer que cada mãe (e pai) sabem o que é melhor pra si e pro seu filho.
Cada um tem uma forma de educar.
Cada um defende o que acha correto, e isso não quer dizer que o que a outra mãe faz de diferente está errado.

Então, por favor, se você ler algum post meu e se ver nas entrelinhas PODE TER A CERTEZA de que é pura coincidência.

Beijos

08 junho 2015

A tatuagem dos filhos

Calma gente!
Não sou aloka que sai por aí tatuando os babies.
Filho meu só vai ter tatuagem depois dos 18, e com minha aprovação do desenho.
hahahahahaha, jura né?
Pois então...

Desde que engravidei do Lucas pensei em fazer mais uma tatuagem, dessa vez em homenagem a eles.
E há alguns dias falei da minha vontade pro marido, que topou.
Já tinha a ideia pronta e o contato do profissional.
Na verdade a ideia inicial era o símbolo do infinito com os nomes deles. Ficou bonito mas não para as costas, que pedia algo maior. Talvez no braço... mas como eu queria fazer num lugar que eu pudesse esconder e/ou mostrar quando eu bem entendesse nada melhor do que ser nas costas.

Na hora mesmo o tatuador desenvolveu o desenho com base em um que eu tinha mostrado.
Aí foi só sofrer um pouquinho durante 1h30 e pronto.
Eis o resultado:

Amor em forma de arte

Ps: não reparem no preto desbotado, quase cinza da minha tattoo antiga. A gente só percebe que o preto não é mais preto quando faz uma nova do lado.

Beijos e boa semana.

18 maio 2015

Meio desmame

Depois de algumas semanas bem tumultuadas no quesito "saúde dos filhos" eu volto pra falar da amamentação, ou melhor, do quase desmame.
Ou seria "meio desmame"?

Por que "meio desmame"?
Porque Lucas, exigente e seletivo que é, não quer mais saber do peito esquerdo.
Peito esse que sofreu tanto desde o princípio, que rachou, que sangrou, que foi mordido tantas e tantas vezes mas que seguiu firme e forte por um bom tempo e que agora está quase se aposentando.
Ainda ofereço o coitadinho, mas muitas vezes a descida do leite é tão lenta que Lucas não tem paciência e larga logo e faz um pequeno escândalo. Ou seja, peito agora só o direito.
E haja peito viu? Porque nessas épocas de doencinhas que vêm e que vão só o peito salva!
Eu tô só o pó!!! Acabadinha! Madrugadas que antes eram quase ininterruptas agora tem que amamentar 3 ou 4 vezes. Parece que tenho um recém nascido novamente.
Por conta disso consegui chegar no peso de antes da gravidez.
Isso é bom.
Mas cansa!
E me entristece.
Pois percebo que o Lucas vai desmamar por completo bem mais cedo que a Beatriz.
Ele aceitou chupeta fácil. Toma 1 mamadeira por dia. Quando mama nunca é mais que 5 minutos.
Então, não vai ser tão dependente.

Mas enquanto isso eu vou aproveitando os nossos momentinhos do jeito que dá, me despedindo aos pouquinhos da amamentação que tanto lutei pra conseguir.




04 maio 2015

Como é ser mãe de 2?

Bom...
ou melhor, maravilhoso! A melhor experiência da minha vida.
Mas não posso terminar a frase por aqui, porque assim como o amor multiplica, o trabalho também multiplica.
E o cansaço... ahhhh, o cansaço, esse danado que insiste em não me largar.
Vivo bocejando. Vivo me preocupando, especialmente quando estão doentes ao mesmo tempo, coisa que rolou por aqui na semana passada. Não é fácil. Muitas vezes é PUNK!
Graças a Deus tenho ajuda. Acho que sozinha com 2 eu teria pelo menos o triplo de fios brancos na cabeça e o dobro de rugas.
Só que isso tudo a gente esquece com o tempo e só ficam as lembranças boas. Pelo menos pra mim é assim.
Por exemplo, nem me lembro mais de detalhes da minha luta pra amamentar tanto um quanto outro. E olha que foi PUNK.
Mas as coisas boas, essas a gente faz um esforço enorme pra guardar lá dentro de uma gavetinha especial pra poder se lembrar pra sempre.

A 2ª gravidez já é mais light, apesar do medo imenso de não dar conta, de não amar os dois com a mesma intensidade. Já sabemos o que nos espera e por isso a ansiedade só começa a aparecer lá no finalzinho da gravidez.
Então o 2º filho nasce, num ambiente mais calmo, com pais mais seguros e confiantes.
O 2º filho vai no embalo. A gente não tem mais tanto medo, tantas neuras e frescuras. Ele não parece que vai se desmanchar em nossas mãos.
Ele quase que se cria sozinho.
Ele observa o primogênito e copia.
O primogênito ajuda a cuidar, faz questão de se sentir parte do negócio e se sente orgulhoso quando descobre sozinho que o pequeno fez cocô e corre pra avisar a mãe ou quando coloca a chupeta na boquinha do pequeno o fazendo parar de chorar.

O amor entre irmãos é lindo!
Emociona olhar pro lado e ver a Beatriz sentada do lado do Lucas, segurando a mãozinha dele, fazendo carinho no rostinho.
Ou então ouvir ela chegando perto dele e ele abrindo um sorrisão pra ela.
Mais ainda, ouvir ela dizendo "Eu te amo Luquinhas", sem ninguém pedir.
Derrete meu coração.
E são cenas assim que alegram meu dia e sei que alegram o dia de qualquer mãe de 2.
São cenas desse tipo que nos fazem seguir em frente, trabalhar, lutar por um futuro melhor pra eles.

Não há nada melhor na vida do que ter um filho. Muda tudo!
O que dizer de 2?

Experiência muito louca e linda!




27 abril 2015

Pareço boa mãe mas...

Dei danoninho e chocolate antes que minha filha completasse 2 anos
Deixo que ela coma algumas besteiras durante o dia
Perco a paciência facilmente e me arrependo mais facilmente ainda
Deixo minha filha assistir desenho animado quanto ela quiser, só pra eu conseguir fazer algumas coisas minhas
Deixo minha filha brincar nos aplicativos do celular para ter um pouquinho de silêncio
Já perdi guia de exame da minha filha e tive que desmarcar o exame por conta disso
Já esqueci de dar o antibiótico no horário certo
Já deixei minha filha cair da minha cama 2 vezes
Como besteira escondida só pra ela não ver e pedir
Às vezes faço um terrorzinho. Por exemplo: chega de chocolate senão vai nascer uma lombriga dentro da sua barriga; coloca o cinto senão a polícia vai te levar presa
Já deixei de trocar a fralda de madrugada por causa do sono e o resultado foi bebê molhado
Já fingi que estava dormindo quando o bebê acordou na esperança de que ele voltasse a dormir
Já deixei minha filha esperando pra eu ir brincar com ela e fui fazer outras coisas
Já encurtei historinhas e fingi que estava dormindo
Já chorei no banheiro me perguntando "por que fui ter filhos agora?". Lógico, chorei mais ainda por ter me questionado uma coisa dessas
Várias vezes esqueço de colocar os itens necessários na bolsa da creche
Esqueço de mandar o brinquedo pra creche no Dia do Brinquedo

Deve ter mais uma dezena de coisas que fiz ou deixei de fazer, mas sabe como é memória de mãe...

Ahhhh gente, vamos combinar que ser mãe não é fácil né?
E que não existe mãe perfeita. Ou melhor, todas nós somos as melhores mães que podemos ser.
E que atire a primeira pedra quem nunca fez nadinha disso aí que eu citei.
Se não fez um dia ainda vai fazer.

E você, parece boa mãe, mas... ???

Meus amores. Vivo e morro por eles!

Beijos

13 abril 2015

E aí Sara?

Olá pessoal, 
hoje venho com uma dica de VLOG pra vocês mamães, e por que não papais também?



De maneira engraçada e irreverente o vlog "E aí Sara?"aborda temas do cotidiano de toda mulher.
Dê uma conferida!


A  Jussara é dona de casa com 3 filhos: Eduarda de 8 anos, Cristiano Junior de 6 e Fernanda Maria de 1 ano e 3 meses.
Ela trabalha também com música, cantando em casamentos e participando do Grupo Vocal Syahamba e de alguns corais.
Desde que casou combinou com o marido que quando tivessem filhos ela ficaria em casa.
Essa também era a profissão da mãe dela e sempre achou o máximo poder cuidar de tudo sozinha!

"Embora seja muito difícil e desesperador às vezes, vale muito a pena.
Nossos filhos crescem tão rápido e poder estar com eles é muito bom.
Existem muitos conflitos na vida de uma dona de casa... na vida de toda mulher que tem filhos..."

Em conversa com muitas amigas ela percebeu que tudo que acontecia em sua casa, acontecia nas delas também.
Então resolveu criar um vlog, onde pudesse expressar em vídeos, assuntos do cotidiano de uma mulher. Tudo de uma forma muito engraçada e leve.

"Espero que muitas mulheres se identifiquem e saibam que não estão sozinhas.
Que momentos difíceis não acontecem somente no lar delas.
Que estamos juntas e estou pronta pra trocar figurinhas."

Diz aí, dá pra garantir boas risadas, não é mesmo?

Pra quem quiser ver mais vídeos dela é só acessar:


Beijos e até mais!

06 abril 2015

Resultado do sorteio

Então pessoal,
hoje realizei o sorteio de quem participou nesse post AQUI pra ganhar os livros infantis.
Foram 20 inscritas, entre blog e facebook.



E o resultado foi:


Anne Kelly do blog http://annekellymirealidad.blogspot.com.br/
que ganhou "Meu livro de caretas"

e

Dayane Rodrigues do blog http://mamaefono.blogspot.com.br/
que ganhou "Quando eu crescer..."

Parabéns às ganhadoras e obrigada a todas inscritas.

Às ganhadoras peço que entrem em contato comigo para combinarmos o envio dos livros.

Beijos