06 fevereiro 2015

Mural das conquistas

Hoje vim falar de uma coisa super legal para ajudar na educação dos pequenos:
O Mural das conquistas ou Mural das regras.

Sempre gostei muito de assistir esses programas de tv tipo Super Nanny, mas confesso que pensei que essas táticas de cantinho do castigo, mural de regras e etc não funcionaria assim tão fácil como parece funcionar nos programas.

Então vi que em um desses blogs de maternidade, não me recordo qual, a blogueira falava sobre esse mural das conquistas. Resolvi abrir o link do site que vendia o tal mural. Adorei. Marido também.

Adorei porque dá pra fazer ele bem personalizado.
Encomendei um e torci pra que não fosse dinheiro jogado fora.

Então ele chegou.
De noite chamamos a Beatriz e explicamos como tudo funcionava e ela se mostrou empolgada.
Ela nos ajudou a pendurar o painel no quarto, ao lado da cama e já queria colocar as estrelinhas.
O mural começaria a valer a partir do outro dia de manhã quando ela acordasse.

Então chegou de manhã e eu tive que sair.
Quando cheguei em casa ela estava sentada no sofá. Me chamou e falou: "Mamãe, eu acordei feliz. Vamos lá colocar a minha estrelinha no painel?"
Achei o máximo. Percebi que ela tinha assimilado bem a ideia.

Esse é o mural da BBDU

Pensei que seria empolgação de começo, mas hoje, depois de mais de 2 semanas está dando super certo.
Ganhou estrelinhas em tudo, em todos os dias.
E todos os dias ela fala do prêmio que vai ganhar no final da semana, que é um passeio no shopping, no cinema, ou no parque, ou a visita de uma amiguinha. Estamos tentando colocar como prêmio semanal algo que não seja material, até para poder passar mais tempo com ela. Sei que ela dará muito mais valor a isso do que a um chocolate ou um brinquedo por exemplo.

Semana passada o prêmio foi ir ao cinema com o papai e a mamãe assistir Os pinguins de Madagascar.
Foi a primeira vez dela no cinema. Aguentou sentadinha quietinha 45 minutos (exatamente metade do filme) e a partir daí ficava trocando de poltrona, ficava em pé, andava pra lá e pra cá, queria colo... mas sem fazer nenhum escândalo. Foi uma experiência muito legal e espero que a partir de agora a gente vá com ela várias vezes.

Então, pra quem está pensando em adquirir um mural desses eu recomendo!
O que eu comprei foi esse aqui:
Mural das Conquistas da BBDU
Mas deve existir muitos outros e dá até pra fazer um em casa. É só ter um pouco de habilidades manuais e tempo.

Beijos

31 janeiro 2015

Post nostálgico

Há exatamente 1 ano...
...eu me descobria grávida novamente!

Contei tudo AQUI

Parece que ainda sinto na pele aquela sensação deliciosa da descoberta, sozinha no banheiro, pensando em mil jeitos de contar ao marido e ao restante da família e amigos, engolindo o grito de alegria que me deu vontade de dar... Ahhhh... uma sensação tão maravilhosa... e mal sabia eu que era o Luquinhas dentro de mim.

Dá saudades...
das tentativas...dos testes negativos...da espera e da esperança em ver os 2 risquinhos... do misto de alegria e medo... da gestação e tudo que vem com ela (mudanças de humor, dores físicas, bebê mexendo e soluçando)... das idas ao GO... dos exames de US... do parto se aproximando... da bolsa rompendo...das contrações... do primeiro contato e do cheirinho do bebê... de tudo!

E agora tenho meu filhote lindo, com 4 meses e cheio de dobrinhas aqui.
Cada dia amo mais e não me canso de olhar pra ele e agradecer a Deus.




Te amo Lucas!

24 dezembro 2014

ho ho ho

Esse ano foi um ano especial...
tantas coisas boas aconteceram...
algumas ruins também... mas já passou e só restam as lembranças e os aprendizados.

E a mais importante: em janeiro engravidei e em setembro nasceu nosso principezinho Lucas.



Não há como definir, explicar, mensurar a alegria que é ter 2 filhos maravilhosos.
Sou muito sortuda por isso.

Então esse Natal vai ser muito feliz: família reunida, com novo membro, todos com saúde e com muitos planos para 2015.



A vocês, que me acompanham por aqui quero deixar um grande abraço e desejos de um maravilhoso Natal, cheio de amor e paz e um ano novo de muita energia boa e realizações.

Até ano que vem!

ho ho ho

12 dezembro 2014

A segunda experiência na amamentação

Durante a gestação não me preocupei em preparar os seios.
A única coisa que martelava na minha cabeça era: EU VOU AMAMENTAR, custe o que custar.
Mesmo porque botei um pedacinho do pé na jaca e adquiri alguns quilinhos a mais do que eu imaginava. Entonces pensei: tudo bem, amamentando eu perco tudo.

Então Lucas nasceu e mamou bonitinho.
No hospital.

As enfermeiras vinham perguntar se ele estava mamando e se eu precisava de ajuda e a macaca velha aqui dizia NÃO, de boca cheia, achando que sabia tudo, afinal foram 2 anos e 2 meses de amamentação da Beatriz.

Mas aí foi só chegar em casa que a coisa desandou.
Lucas não tinha a "pega correta" e eu não conseguia ajudá-lo a ter.
Por consequência de alguns dias assim fiquei machucada e na hora de amamentar literalmente eu chorava de dor.
Não entendia o porquê dessa dificuldade novamente e só pedia a Deus pra me dar forças pra não desistir. Repetia pra mim mesma: EU QUERO E EU VOU AMAMENTAR!
E essa força de vontade me fez continuar, mesmo sofrendo.

Pra amenizar eu usei muito a pomada Lansinoh, que não precisa ser retirada na hora da mamada.
Usava também durante o dia as conchas de amamentação, tirava manualmente no banho o leite que já estava empedrando, pedia ajuda pra minha mãe pra massagear e tirar o leite para então oferecer de colherzinha pro Lucas e não deixava de oferecer os dois seios.

Meu obstetra disse que a partir da segunda semana os seios não ficariam mais tão sensíveis e realmente foi isso que aconteceu.
A partir do 12º dia as dores foram diminuindo.
Mas mesmo agora, depois de 2 meses e meio não posso dizer que está perfeito. Não está. A pega ainda não é a melhor e nem sei se um dia vai ser. Sabe aquela pega boca de peixinho? Por aqui eu nunca vi, nem da minha filha. Mas a mamada supre e sai leite pela culatra.

Vontade de amamentar eu tenho
Vontade de mamar ele tem
Leite eu tenho de sobra

E isso é o que interessa.
Rumo a mais uns 2 anos de amamentação!


01 dezembro 2014

O amor pelo segundo filho

Loucura! Mas o meu maior questionamento comigo mesma na segunda gestação era:
É possível amar o segundo filho como amamos o primeiro?
Eu ficava olhando pra minha filha e pensando: "como é que o amor vai se multiplicar se ele já é infinito?" AND "eu amo ser mãe de menina. será que amarei ser mãe de menino também?"

E adivinhem!!!
Essa história de que o amor se multiplica é a mais pura verdade.
Não só se multiplica como se torna mais forte, puro e nos torna mães mais plenas.

Não sei se já disse aqui mas o segundo filho é muito mais fácil que o primeiro, como a maioria das mães de 2 ou mais pode confirmar. Então tudo é mais tranquilo, sem neuras e o amor também surge mais rapidamente.
Sim, porque dizer que a gente ama o filho na barriga é uma coisa.
E o amor que surge no momento em que ele nasce é outra coisa.
Muitas demoram alguns dias pra sentir esse amor incondicional. Assim foi comigo com a primeira filha. Aos poucos, o amor foi ficando cada vez maior e ainda hoje só cresce.
Mas com o segundo filho esse amor surgiu no momento em que o vi pela primeira vez. E isso não tem nada a ver com amar mais ou menos um ou outro. Isso tem a ver com a segurança, experiência e tranquilidade que a gente tem na segunda gestação.

Como disse a minha grande amiga Léa: "a gente deveria ter o segundo filho antes do primeiro".
Seria perfeito, já pensaram?
Mas também não teria muita graça, nada seria novidade, surpresa.
Do jeito que é está ótimo. Com a certeza de que o amor de uma mãe se multiplica conforme a quantidade de filhos.

Então "mães de um", não se façam esse mesmo questionamento que fiz no início do post.
Vocês acham que o amor que vocês sentem não tem como crescer mas quando seu segundo filho nascer será uma explosão dentro de seus corações!



07 novembro 2014

Fotos Newborn

Dia 10 de outubro foi dia de sessão de fotos Newborn com a querida Tainá Claudino dos Santos.
Meu menininho até que se comportou, apesar de ter feito 2 vezes xixi no cenário e não querer dormir.
Deu pra fazer umas fotos lindas.
Bom, sou suspeita né? Todo filho é lindo aos olhos de sua mãe.

Estamos fazendo um acompanhamento mensal e as fotos de 1 mês foram feitas já.
Logo, logo já tem que marcar as fotos dos 2 meses e quando eu piscar os olhos meu bebê já estará grandão. (Onde aperta pra parar um pouco o tempo???)

Aiiiiii...

AMO fotos.
São lembranças lindas pra jamais esquecer.








30 outubro 2014

As coincidências

Cada gestação é muito diferente da outra.
E dizem que uma gestação de menino é também mais diferente ainda de uma gestação de menina.
Concordo!
Minhas mudanças físicas, minhas dores, medos e preocupações nessa gestação foram totalmente outras.

Mas no final das contas muitas coisas foram exatamente iguais.
Coincidência ou não, vale registrar aqui, pois no mínimo é bastante interessante.
Vejamos:

Nas 2 gestações eu tive rompimento da bolsa.
E o rompimento foi exatamente 5 dias antes da data marcada da cesárea.

Ambas cesáreas aconteceram com 38 semanas e 5 dias.

Ambos nasceram no dia da mudança de lua.

Tive meus 2 filhos no mesmo hospital, por opção, mas o interessante é que o quarto coletivo foi o mesmo.
E mais interessante ainda é que a cama era a mesma.

Tive dificuldades na amamentação na primeira e nessa segunda vez também.

Muitas coisas iguais...
Tantas outras diferentes...
Mas o amor é exatamente o mesmo.



24 outubro 2014

Como evitar o ciúmes com a chegada do irmãozinho

Hoje eu venho falar sobre a reação da minha filha de 3 anos com a chegada do irmãozinho.

Já tinha colocado AQUI sobre a minha preocupação com relação a isso.
Se você leu o post percebeu que fizemos de tudo, desde a descoberta da gravidez, para que ela se sentisse parte do processo e o ciúmes naturalmente normal fosse amenizado através dessas pequenas ações, muitas vezes insignificantes para uns e outras vezes exageradas para outros.

Estou aqui para relatar que deu e está dando resultado tudo o que fizemos.

Beatriz é naturalmente uma menina carinhosa, meiga e preocupada com os outros.
Porém, após o nascimento do Lucas ela se superou.
Está se mostrando uma irmãzona, sempre disposta a ajudar e cheia de dengos com o irmãozinho.

O que de fato fizemos para que ela aceitasse numa boa a vinda de mais um membro na família?

- Contei pra ela sobre a gravidez assim que vi os 2 risquinhos no palitinho.
- Levamos ela em praticamente todas as consultas e na maioria das ultrassonografias.
- Fizemos as compras do enxoval com ela junto.
- Sempre que aparecíamos em casa com algum item para o enxoval dele entregávamos algum presentinho pra ela também.
- Sempre conversávamos com ela explicando qual seria o papel dela como irmã mais velha.
- Encorajava as conversas e carinhos com a minha barriga, até se tornar algo espontâneo.
- Compramos alguns presentinhos bem baratinhos e deixamos separados para quando alguém viesse visitar o Lucas entregasse um desses presentinhos pra ela.
- Quando ela veio nos visitar no hospital combinei com o meu marido para ele ir num canto do quarto com o Lucas, de modo que quando a Beatriz chegasse não os visse e viesse diretamente até mim. Só depois de eu abraçá-la, beijá-la e dizer que estava morrendo de saudades é que chamei meu marido que trouxe o Lucas pra apresentar pra ela.
- Após ela conhecer o irmãozinho entregamos a ela o Teddy pink, dizendo que foi o Lucas que trouxe de presente pra ela.
- Compramos um bebê menino, com pintinho e tudo, e quando chegamos do hospital entregamos pra ela dizendo que o meu médico tinha mandado um bebê pra ela.
- Nas trocas de fralda, banhos e hora de mamar se ela está por perto sempre peço pra fazer alguma coisa, como por exemplo jogar a fralda suja no lixo, pegar o lenço umedecido, buscar o paninho (cheirinho).

Não me arrependo de nada que fiz.
Ao contrário, agradeço a Deus por tudo ter dado tão certo e por ver nitidamente esse amor que ela já sente por ele.

É lindo ver ela chegando da creche no final da tarde e vindo em minha direção perguntando onde está o Lucas. Aí ela pede se a mão dela está suja. Digo que sim. Ela vai lavar, volta toda feliz e enche o Lucas de carinho e beijos.

De manhã quando ela acorda vem direto pro meu quarto pedindo pelo Lucas, e fica lá com a gente, namorandinho, por horas...

Pede pra pegá-lo no colo.
Diz pra não fazermos barulho pois ele está dormindo.
Pega a chupeta dele delicadamente pelas bordas, pede se está limpa e se pode dar pra ele.

Tenho certeza de que meu filho tem a melhor irmã que poderia ter e que serão grandes amigos.


 Primeiro contato ainda no hospital

Depois quis pegar ele no colo

Logo que chegamos em casa do hospital





13 outubro 2014

Aniversário de 3 anos em casa - Tema Peppa Pig

Dia 04, sábado passado, foi dia de comemorar o aniversário de 3 anos da minha princesa.
Resolvi fazer em casa pois estava no 10º dia do pós parto.
Apesar disso organizei tudo do jeito que imaginei fazer.
Estava sem dores, mas evitei me esforçar, então tive ajuda da minha mãe, cunhada, irmão e marido.
Ficou simples mas bem fofinho.
E o tema? Não tinha como ser outro senão a Peppa Pig.
Mas evitei fazer aquela decoração carregada no tema. Usei o tema apenas na mesa das crianças e alguns poucos detalhes na mesa dos doces.

Mesa dos doces


Lembrancinhas








Família completa

 A cama elástica como sempre fazendo sucesso!


Fazer festinha em casa é bem mais tranquilo, principalmente porque a organização pode começar a ser feita alguns dias antes. Eu por exemplo comecei a arrumar tudo na quinta feira, aí no sábado início da tarde ficou faltando apenas colocar as comidas em seus devidos lugares.
Se a gente aluga uma casa de festas no máximo podemos arrumar tudo na noite anterior, o que gera stress e requer a ajuda de muitas pessoas.

Bom, gostei do resultado final e o que mais importa é que minha filha se divertiu muito.

Espero que vocês tenham gostado também.

08 outubro 2014

Relato de parto - parte 2 de 2

Se você não leu a parte 1 clique AQUI

Então assim que a anestesia pegou eu relaxei.
Meu médico conversou comigo, disse pra eu ficar tranquila que tudo ía dar certo.
Eu sabia que ía dar!

Jonas entrou na sala e ficamos ali, juntos, esperando.
Cheiro de queimado.
Nada de dor, de desconforto. Só o silêncio.
De repente uma pressão, um mexe-mexe que eu já conhecia.
Demora...
Aí o médico diz que está fazendo tudo com muito cuidado e delicadeza pois meu útero estava fino como um papel.

Médico fala:
Jonas, quer ver o Lucas nascer?
Então o Jonas se levantou e olhou por cima do pano, e viu nosso filho vindo ao mundo.
Não chorou na hora, só alguns segundos depois, que pra mim pareciam uma eternidade.
Médico aproxima o Lucas do meu rosto, sem cortar o cordão umbilical e eu dou um beijo e um cheirinho nele, que pára de chorar na mesma hora.

Lucas nasceu às 20h57, pesando 3k505g e medindo 50 cm.
Apgar: 9 / 9

Em seguida trazem ele pro meu colo e soltam um dos meus braços pra eu poder abraçar meu filho.
Ficamos juntos por menos de 1 minuto e logo levam ele para os procedimentos, onde o papai acompanha tudo de perto.


Fiquei em êxtase!
Ao contrário da cesárea da Beatriz em que fiquei meio dopada e com sono, dessa vez estava ligadona, com vontade de conversar e sair dali andando.
Acho que o nível de ocitocina estava tão alto que me deixou nesse estado.

Não sei mais quanto tempo, mas acredito que não mais que meia hora fiquei na sala cirúrgica para os procedimentos finais.
Aí meu médico falou novamente que meu útero estava bem fino e caso eu tivesse chego na etapa de fazer força no PN o risco de rompimento seria grande. Ele até comentou com o Jonas que não seria indicado mais uma gravidez.

Acho que era um pouco depois das 21h30, chego na sala de recuperação e já sou recebida pelo meu marido e meu filho. Quanto amor!!!
Queria logo pegá-lo no colo, amamentar. Mais uns minutinhos e a enfermeira o coloca na posição pra mamar. Muita alegria invade o meu peito nessa hora, pois ele mama direitinho.

Como o hospital estava lotado não havia quarto disponível, portanto tive que passar a noite na sala de observação e o Jonas teve que voltar pra casa, pois lá não permitem acompanhantes.
As enfermeiras foram muito atenciosas e não tenho do que reclamar.
Passei a noite em claro, com uma energia enorme. Até tentei dormir mas não consegui.
E fora essa adrenalina toda estava meio preocupada pois o Lucas mamava e regurgitava, muitas vezes.
Aí percebi que os outros 3 bebês na sala também estavam regurgitando.
A enfermeira falou que como não fazem mais o procedimento de aspiração dos bebês então a secreção que fica causa isso neles, mas que em 2 ou 3 dias passaria.
Mesmo assim fiquei com os olhos 100% em cima do meu bebê e a qualquer sinal já chamava a enfermeira pra pegá-lo e colocá-lo em pé um pouquinho.

No outro dia às 10h da manhã me levaram para o quarto.
Tomei um banho (ai, que alívio!!!) e logo o Jonas veio.
Ficamos ali, os 3, se curtindo o dia todo.


E assim começa mais um capítulo da história da nossa família!